Fed Cup. Bielorrússia pela primeira vez na final e Bélgica de regresso à elite

0

Dia histórico na Fed Cup. A Bielorrússia, que nunca antes tinha chegado sequer a uma meia-final da prova, garantiu este domingo o apuramento para uma inédita final da prova de seleções, depois de ter derrotado a Suíça, em Minsk.

Depois de um empate no dia de ontem, com Aliaksandra Sasnovich a derrotar Viktorija Golubic antes de Timea Bacsinszky restabelecer a igualdade com uma vitória sobre Aryna Sabalenka, o dia de hoje começou com Sasnovich, número 96 mundial, a impor-se perante a 22.ª da hierarquia, Timea Bacsinszky, com parciais de 6-2 e 7-6(2) que deixaram a Bielorrússia a um encontro de garantir a presença na final. O segundo encontro de singulares do dia opunha Aryna Sabalenka, 125.ª no ranking WTA, a Viktorija Golubic (54.ª WTA), com a certeza de que, em caso de vitória de Sabalenka, a Bielorrússia estaria apurada para a final da prova. E foi após 2 horas e 10 minutos de uma longa batalha que a Chlzkova Arena, em Minsk, explodiu de alegria com a vitória da tenista da casa, com parciais de 6-3, 2-6 e 6-4. No encontro de pares, só para cumprir calendário, Martina Hingis e Belinda Bencic venceram facilmente a dupla bielorrussa composta por Olga Govortsova e Vera Lapko, com parciais de 6-0 e 6-1.

Estados Unidos 3-2 República Checa: norte-americanas surpreenderam as campeãs e vão jogar a final

Na Flórida, foi necessária a “negra” para decidir quem iria fazer companhia à Bielorrússia na grande final da Fed Cup. Com a eliminatória a ser reatada este domingo com um empate (1-1), foi a seleção da casa a adiantar-se novamente no marcador, com CoCo Vandeweghe (24.ª WTA) a derrotar Katerina Siniakova (38.ª WTA) com parciais de 6-4 e 6-0.

Sem se darem por vencidas, as checas voltaram a empatar a contenda, depois da jovem Marketa Vondrousova, que conquistou recentemente o seu primeiro título WTA, ter derrotado a mais experiente Lauren Davis em apenas dois sets, com parciais de 6-2 e 7-5. Com a decisão adiada para o encontro de pares, os Estados Unidos puxaram o trunfo da manga em Bethanie Mattek-Sands, a especialista em pares, que fez dupla com CoCo Vandeweghe para juntas derrotarem Kristyna Plisková e Katerina Siniakova por 6-2 e 6-3, fazendo jus à história entre estas duas seleções, dando nova vitória aos Estados Unidos.

França 4-0 Espanha: francesas “atiram” Espanha para o Grupo Mundial II e seguram lugar entre as melhores

Em Roanne, França, foram as gaulesas que se impuseram e, “sem espinhas”, derrotaram a Espanha por claros 4-0, assegurando a manutenção no Grupo Mundial, ao passo que as espanholas vão, no próximo ano, atuar no Grupo Mundial II.

Lideradas por Kristina Mladenovic, as francesas partiram para este domingo com uma vantagem de 2-0 e a precisar de apenas uma vitória para assegurar o triunfo final. Mladenovic, 19.ª do Mundo, disse “presente” e cilindrou por completo Sara Sorribes Tormo com parciais de 6-1 e 6-1, dando uma alegria aos franceses que se deslocaram ao Halle André Vacheresse. A fechar o dia, e até porque o segundo jogo de singulares não foi realizado, Alizé Cornet e Amandine Hesse derrotaram a dupla composta por Maria Jose Martinez Sanchez e Olga Saez Larra por 6-1, 3-6 e 10-7, não permitindo à Espanha a conquista de qualquer ponto.

Rússia 2-3 Bélgica: belgas garantiram regresso à elite em Moscovo

Na Rússia, mais precisamente em Moscovo, assistiu-se a um resultado surpreendente. A Rússia, que jogava perante a Bélgica por um lugar no Grupo Mundial na próxima temporada, não foi capaz de aproveitar o fator casa e deixou-se surpreender pelas belgas que, no derradeiro encontro, asseguraram elas a subida ao grupo das melhores.

O dia começou da melhor maneira para as visitantes, com Elise Mertens a derrotar Elena Vesnina numa batalha de três sets, com parciais de 6-4, 1-6 e 6-2, permitindo que a Bélgica passasse para o comando da eliminatória. A resposta não se fez esperar e Daria Kasatkina voltou a empatar, derrotando Maryna Zanevska com parciais de 5-7, 6-1 e 6-0, adiando a decisão para o encontro de pares. Kasatkina e Vesnina foram as escolhidas do lado da Rússia, enquanto que a Bélgica fez entrar An-Sophie Mestach para jogar ao lado de Elise Mertens e, 1 hora e 45 minutos depois, as belgas estavam a festejar o apuramento para o Grupo Mundial após uma vitória por 6-1 e 7-6(2). A Rússia, por sua vez, vai continuar por pelo menos mais um ano no Grupo Mundial II.

Alemanha 3-2 Ucrânia: ucranianas ainda ameaçaram reviravolta

Quem também se mantém no Grupo Mundial para 2018 é a Alemanha, que derrotou a Ucrânia na Porsche Arena, em Estugarda, para impedir a formação ucraniana de subir ao grupo principal no próximo ano.

Depois de um primeiro dia tranquilo, em que a Alemanha se colocou a vencer por 2-0, as ucranianas ainda ameaçaram a reviravolta este domingo, com Elina Svitolina a bater a número um mundial Angelique Kerber por 6-4 e 6-2, reduzindo a desvantagem da sua seleção, que tinha agora em Lesia Tsurenko a sua última esperança de ainda se manter na discussão da eliminatória. Tsurenko, no entanto, não conseguiu dar seguimento ao triunfo de Svitolina e foi derrotada por Julia Goerges em dois sets, com parciais de 6-4 e 6-4, numa derrota que ditou o desfecho do embate. Num encontro de pares que serviu apenas de consolação para a Ucrânia, Nadiia Kichenok e Olga Savchuk derrotaram Laura Siegemund e Carina Witthoeft por 6-4, 4-6 e 10-6.

Eslováquia 2-3 Holanda: Kiki Bertens e Richel Hogenkamp seguram vaga da Holanda no Grupo Mundial

A Holanda foi outra das seleções vitoriosas este fim de semana, assegurando também ela a manutenção no Grupo Mundial, com uma vitória por 3-2 no reduto da Eslováquia.

A vitória holandesa foi obtida logo nos primeiros dois jogos de singulares do dia, com Kiki Bertens a abrir as hostilidades com uma vitória por 6-3 e 6-3 sobre Jana Cepelova, antes de Richel Hogenkamp seguir o exemplo da compatriota e bater Kristina Kucova por 7-5 e 6-4, garantindo o 3-1 que a Holanda necessitava para se manter nas melhores seleções do Mundo. Nos pares, Daniela Hantuchová e Rebecca Sramkova conquistaram um ponto de consolação para a formação da casa, ao derrotarem Cindy Burger e Arantxa Rus, depois da dupla holandesa se ter retirado durante o primeiro set, quando as eslovacas venciam por 2-1.

Itália 3-1 Taipei Chinesa: Sara Errani garantiu cedo a vitória italiana

A Itália derrotou a Taipei Chinesa por 3-1, em Barletta, tendo garantido a manutenção no Grupo Mundial II para a próxima temporada, “empurrando” a Taipei Chinesa para o Grupo I Ásia/Oceânia em 2018.

Depois de duas vitórias no sábado, a formação italiana apenas necessitava de mais um triunfo para selar as contas, triunfo esse que surgiu no primeiro encontro do dia, com a experiente Sara Errani a derrotar Ya-Hsuan Lee com parciais de 3-6, 6-2 e 6-3. Com o segundo encontro de singulares a não se realizar, o encontro de pares serviu apenas para cumprir calendário e para ver a Taipei Chinesa a não ficar a zeros neste confronto, depois da dupla composta por Chia-Jung Chuang e Ching-Wen Hsu ter batido as italianas Jasmine Paolini e Camila Rosatello com parciais de 6-4 e 6-4.

Roménia 3-2 Grã-Bretanha: britânicas falham acesso ao Grupo Mundial II

Roménia e Grã-Bretanha continuaram neste domingo a sua batalha por um lugar no Grupo Mundial II em 2018. A vitória final, no entanto, sorriu às tenistas da casa, que derrotaram as britânicas por 3-2 e asseguraram a manutenção no grupo, enquanto que a Grã-Bretanha falha a subida e vai-se manter no Grupo I Euro/África.

Depois dos incidentes com o capitão da seleção romena Ilie Nastase no dia de ontem, as romenas deram uma resposta forte no dia de hoje, com Simona Halep a levar a melhor sobre Johanna Konta no primeiro jogo do dia, com parciais de 6-1 e 6-3. A faltar apenas um ponto para selar o triunfo, coube a Irina-Camelia Begu a honra de garantir a vitória da Roménia, ao derrotar Heather Watson por 6-4 e 7-5 no segundo encontro de singulares do dia. Nos pares, já em clima de festa na cidade de Constanta, Jocelyn Rae e Laura Robson garantiram o segundo ponto da Grã-Bretanha ao vencerem Simona Halep e Monica Niculescu por 6-3, 1-6 e 10-8.

Sérvia 0-4 Austrália: formação da casa falha a subida ao Grupo Mundial II depois de ser “atropelada”

A Austrália não esteve para conversas este fim de semana, na Sérvia, tendo massacrado a formação da casa e ao mesmo tempo garantido a manutenção no Grupo Mundial II com uma vitória por claros 4-0.

Depois de ter deixado tudo bem encaminhado no sábado, com duas vitórias, a Austrália voltou a entrar forte no domingo, com Daria Gavrilova a derrotar Nina Stojanovic por 6-0 e 6-3, assegurando desde logo o triunfo. Com o cancelamento do encontro de singulares entre Ivana Jorovic e Ashleigh Barty, o derradeiro encontro foi o de pares, com Casey Dellacqua e Ashleigh Barty a vencerem Ivana Jorovic e Nina Stojanovic por 6-1 e 7-5 num encontro que não serviu para mais nada senão cumprir calendário.

Canadá 3-1 Cazaquistão: juventude canadiana ultrapassa enorme favoritismo cazaque e garante subida ao Grupo Mundial II

Talvez a maior surpresa dos play offs do Grupo Mundial II. O Canadá fez cair a seleção do Cazaquistão ao Grupo I da Fed Cup, após vencer a contenda frente a uma equipa claramente superior por 3-1.

As grandes operadoras da surpresa, foram as jovens canadianas Francoise Abanda (20 anos e número 186 mundial) e Bianca Andreesco, de apenas 16 anos e já 188 WTA. No primeiro encontro da eliminatória, a mais jovem das canadianas ainda andou perto do triunfo, mas acabou derrota pela número 31 mundial, Yulia Putintseva por 6-4 4-6 6-4. Horas depois, foi tempo de Abanda estabelecer a igualdade, ao vencer Yaroslava Shvedova (51.º) por 6-3 6-4, com o dia de sábado a chegar ao fim com tudo por decidir.

Já no domingo, a irreverência canadiana voltou a falar mais alto. Abanda voltou a surpreender ao levar a melhor sobre a número 1 cazaque por 6-3 e 6-3, seguida da vitória espetacular de Andreesco por 7-6(1) 6-4, que garantiu às canadianas a vitória na eliminatória.

Leia também:

About Author

Daniel Sousa