Rafael Nadal: “O que me deixa mais feliz é ir para o court e sentir que posso desfrutar”

0

Não obstante ter falhado o regresso aos títulos do Grand Slam após a derrota em cinco partidas para Roger Federer na final do Australian Open 2017, Rafael Nadal mostrou-se satisfeito com o nível de ténis que exibiu ao longo do primeiro mês de 2017, frisando que “o que realmente me deixa mais feliz é ir para o court e sentir que posso desfrutar desta modalidade”.

“É claro que vencer um torneio desta dimensão é importante. Se eu tivesse ganho hoje, seria fantástico. Mas se virmos as coisas de um outro prisma, hoje em dia eu estou a desfrutar do desporto. Venci bons encontros ao longo desta quinzena contra grandes jogadores. Competi a bom nível contra toda a gente até ao momento. E isso é o mais importante para mim, é isso que me faz sentir feliz”, disse o jogador maiorquino de 30 anos.

Nadal prosseguiu depois com o mesmo discurso, afirmando que o mais importante para si nesta altura é estar nas suas melhores condições físicas para poder disputar todos os torneios que pretende. “Nesta fase da minha carreira, mais do que os títulos, o que interessa é estar suficientemente saudável para trabalhar da forma que preciso, para lutar pelas coisas que quero almejar. Irei continuar a tentar e trabalhar do mesmo modo para no futuro conseguir os meus objetivos”, comentou.

Sobre o peso desta final pelo facto de estar em jogo o 15.º título Major para Rafael Nadal e o 18.º para Roger Federer, o espanhol preferiu desvalorizar a questão. “No final de contas, é só mais um troféu. Há um vencedor e um derrotado. Neste tipo de encontros, para ser sincero, qualquer um pode ganhar. Já o venci muitas vezes e hoje ele venceu-me. Há que dar os parabéns, não é mais do que mais um título importante para ele e umas duas semanas importantes para mim. Mesmo que não tenha terminado da forma que queria, posso regressar a casa com sensações muito positivas”, concluiu.

Leia também:

About Author

Natural da Ilha do Pico, Açores. Estudante do 2.º ano do curso de Direito da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa. Amante da modalidade desde a adolescência.