Fred Gil on Tour – 7.ª Edição

0

Na 7.ª edição da rubrica Fred Gil on Tour, o tenista sintrense fala das últimas duas semanas, que foram passadas em território espanhol e com hábitos muito diferentes num “ambiente muito giro”.Um relato imperdível!

“Olá again. Desta vez, em Getxo, Espanha, cidade bonita e perto de Bilbao.

Fiquei encantado com a cidade de Bilbao e tive em muito boa companhia. A minha namorada acompanhou-me uns dias e adorei conhecer esta capital. Tenho jogado muito bem e o meu ténis está a crescer, tenho evoluído bastante nos últimos meses e o meu nível de jogo está a ficar alto.

Os torneios e jogos em Espanha são muitas vezes ao final do dia e noite. Na semana de Palma Del Rio, onde atingi as ½ finais, houve dias em que entrei em campo eram meia noite/uma da manhã. Havia um restaurante que ficava à espera dos jogadores para jantar e lembro-me que eram três/quatro horas da manhã e ainda ninguém dormia. Eu, havia dias que olhava para o relógio e eram cinco, cinco e meia e nada. Com a adrenalina e cafeína dos jogos, mais pressão, mais corpo a recuperar, fazia-se tarde, mas ali era mesmo assim. Os jogos muitos dias começavam pelas 20h e iam pela noite fora.

Um ambiente muito giro, pois o torneio jogava-se numa povoação pequena e os nossos jogos eram o entretenimento das pessoas locais! Iam todos para o clube. Nesta cidade faziam cerca de 40 graus todos os dias, era quase impossível treinar durante o dia.

A vida de um tenista é dispendiosa, tenho investido bastante na minha carreira mas estou a precisar também de algumas ajudas e patrocínios. Estar On Tour não é barato, tens muitas despesas associadas tais como viagens, hotéis, alimentação, equipa técnica, tudo. Acredito que devemos seguir os nossos sonhos e objetivos e que é possível conseguir. Eu procuro todos os dias chegar um bocadinho mais à frente.

Quando dou por mim, já estou onde pensava estar há uns tempos atrás…

FGil”

Leia também:

About Author

Fred Gil

Fred Gil tornou-se, em 2010, no primeiro tenista português da história a chegar à final de singulares de um torneio ATP, sagrando-se vice-campeão do Estoril Open. Ao longo da carreira, somou inúmeras vitórias que o levaram a adquirir o estatuto de melhor tenista português de sempre, tendo, em abril de 2011, chegado ao 62.º lugar do ranking ATP para, à data, se tornar no tenista português com melhor classificação de sempre. No ano de 2011, surpreendeu o número 10 mundial e 8.º cabeça de série Gael Monfils para se estrear em quartos de final de torneios ATP Masters 1000 (em Monte Carlo). Na temporada seguinte, chegou à terceira ronda do Australian Open e sagrou-se vice-campeão de pares do ATP 250 Viña del Mar.