Andy Murray: “Hoje foi o dia do Novak”

0

Andy Murray falhou este domingo a conquista do título de Roland Garros naquela que foi a sua primeira final disputada no Major parisiense, ao sair derrotado ao fim de quatro partidas diante de Novak Djokovic. Após o encontro, o número dois mundial elogiou a exibição do líder da hierarquia masculina e afirmou mesmo que “hoje foi o dia do Novak”.

“As prestações do Novak nos últimos 18 meses têm sido excepcionais e ele merece ser número um mundial. O que ele tem alcançado no último ano, vencendo todos os quatro torneios do Grand Slam, é extraordinário. É algo muito raro no ténis [vencer todos os Grand Slams consecutivamente]e irá durar muito tempo até que volte a acontecer”, frisou o tenista britânico.

Questionado se as duas primeiras rondas (em que disputou cinco sets) tiveram algum impacto em termos físicos no desenrolar da final, Murray disse que jogou “vários encontros extensos no começo do torneio, além do encontro com o Richard [Gasquet], que durou cerca de três horas. O Novak teve de jogar todos os dias, apesar dos seus jogos terem sido mais confortáveis, portanto foi ligeiramente diferente.”

Em jeito de resumo do derradeiro encontro da edição deste ano de Roland Garros, Andy Murray salientou estar “muito desapontado”. “Em certas alturas estive bem, mas não necessariamente ao longo de todo o encontro. Ele jogou extremamente bem, errou poucas vezes e começou a bater a bola perto das linhas, enquanto eu estava a ser empurrado cada vez mais para trás.”, analisou.

Apesar de tudo, o balanço na capital francesa é positivo para o mais novo dos irmãos Murray. “Há treze dias provavelmente assinaria por baixo se me dissessem que ia estar na final pelo facto de ter tido dificuldades em vencer o meu primeiro jogo. Mas quando chegas a uma final obviamente queres ganhar. Não consegui vencer e por isso estou neste momento desapontado, ainda que tudo pudesse ser diferente caso tivesse sido eliminado logo na primeira ronda”, concluiu.

Leia também:

About Author

Natural da Ilha do Pico, Açores. Estudante do 2.º ano do curso de Direito da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa. Amante da modalidade desde a adolescência.