Australian Open – Dia 10

0

E já são finalmente conhecidos todos os semi-finalistas da edição deste ano do Open da Austrália. Stanislas Wawrinka e Novak Djokovic juntaram-se a Tomas Berdych e Andy Murray nas meias-finais masculinas, enquanto a estreante Madison Keys e a veterana Serena Williams se juntaram a Maria SharapovaEkaterina Makarova nas meias-finais femininas.

 No lado masculino, o campeão em título, Stanislas Wawrinka foi o primeiro a entrar em cena durante a madrugada desta quarta-feira. Frente a Kei Nishikori, o suíço fez uma partida irrepreensível e precisou de apenas três sets para derrotar o japonês, pelos parciais de 6-3 6-4 7-6(6), vingando assim a derrota sofrida no Open dos Estados Unidos do ano passado. Muito agressivo, Wawrinka disparou um total de 20(!) ases e conseguiu 46 winners, o dobro de Nishikori. Num encontro sem muita história, tal o domínio avassalador do suíço, a maior emoção da partida estava guardada para o tie break do terceiro set. O público ainda viu Nishikori salvar cinco match points (de 1-6 para 6-6), mas um drop shot do japonês que ficou na rede e um ás de Wawrinka no último ponto confirmaram o triunfo do suíço após duas horas de encontro.

No encontro dos quartos-de-final masculinos, Novak Djokovic também se “despachou” facilmente de Milos Raonic em três sets, pelos parciais de 7-6(5) 6-4 e 6-2. Num primeiro set muito renhido, foi o número um mundial quem dispôs de mais oportunidades para quebrar o serviço do canadiano mas o parcial só viria a ser resolvido no tie break, com a vitória a cair para o lado do sérvio. Estava ditada a “sentença” de Raonic que não mais pareceu representar qualquer ameaca ao triunfo de Djokovic. Quebrado logo no início do segundo set, voltaria a perder o seu serviço mais duas vezes no terceiro parcial, enquanto Djokovic apenas por uma vez perdeu o serviço… desde o início do torneio! Leram bem, TORNEIO. Além de garantir a presença nas meias-finais do Major australiano, Djokovic igualou ainda o recorde de triunfos no Grand Slam australiano, 48, feito antes apenas alcançado por Andre Agassi e Ivan Lendl.

Nas senhoras, a jornada arrancou com o encontro mais aguardado. A jovem Madison Keys, de apenas 19 anos, defrontava a veteraníssima Venus Williams, 15 anos mais velha. E foi mesmo a mais jovem das norte-americanas a sair por cima, batendo Williams pelos parciais de 6-3 4-6 e 6-4 após 1 hora e 55 minutos de jogo. Sem mostrar sinais de nervos, Keys venceu o primeiro set, mas permitiu a recuperação de Venus no segundo parcial, numa altura em que, com dores na coxa direita, chegou a pedir assistência médica. Venus Williams parecia ter tudo a seu favor quando no derradeiro parcial abriu a 3-1, mas Keys não atirou a toalha ao chão e acabou por quebrar o serviço de Williams por três vezes, recuperando os breaks de desvantagem e fechando o encontro em 6-4 a seu favor. Nas meias-finais, Madison Keys terá pela frente… Serena Williams.

O céu é o limite“, afirmou Venus Williams após o final do encontro relativamente às chances de Madison Keys frente a Serena. Será?

Porque mais tarde, a mais nova das irmãs Williams não perdeu tempo nem gastou muitas energias, batendo a eslovaca Dominika Cibulkova por um duplo 6-2 em apenas 1 hora e 5 minutos de jogo. Desde o início do encontro que Serena se mostrou muito concentrada e, apoiada pelo seu potentíssimo serviço, a norte-americana dominou todas as estatísticas do encontro. Já Cibulkova, que defendia em Melbourne a presença na final da edição transacta, tentou apostar na sua velocidade para contraria o jogo de Serena, mas não resistiu à supremacia da número um mundial. Serena Williams continua assim bem encaminhada rumo ao seu sexto título do Grand Slam por terras australianas.

Amanhã jogam-se as primeiras meias-finais do torneio, com Maria Sharapova a enfrentar a compatriota Ekaterina Makarova e Serena Williams contra Madison Keys, enquanto Tomas Berdych e Andy Murray abrem as hostilidades no lado masculino.

Leia também:

About Author

Natural do Porto. Formada em Biologia pela Faculdade de Ciências da Universidade do Porto e atualmente a tirar o doutoramento em Ecologia Florestal na Universidade Católica de Leuven, na Bélgica. Entusiasta de ténis a tempo inteiro.