Nadal e Djokovic vão discutir o título

0
Caminha-se a passos largos para se terminar a centésima décima primeira edição do mítico torneio de Roland Garros, segundo Grand Slam da temporada e único disputado em terra batida vermelha e que distribui um prize money total pelo circuito masculino e feminino de cerca de 18,718,000 dólares norte-americanos. No que toca ao quadro masculino já são conhecidos os dois finalistas, sendo eles Novak Djokovic e Rafael Nadal, que venceram na jornada de hoje os seus encontros respectivos às meias-finais da competição em apenas três partidas.

Nadal atropela Ferrer rumo ao Hepta
Tendo perdido apenas um encontro em cinquenta e dois disputados no reputado torneio de Paris, Rafael Nadal apareceu nesta edição de 2012 em grande forma e parece querer confirmar de vez o estatuto de “rei de terra batida” ao bater o recorde de títulos conquistados em Roland Garros, que atualmente está partilhado entre Nadal e Bjorn Borg, ambos com seis títulos.
Não se adivinhava tarefa fácil para o maiorquino e atual número dois da hierarquia mundial frente ao seu compatriota e sexto colocado David Ferrer. O número dois espanhol Ferrer ainda só tinha perdido uma única partida até chegar à meia-final – sendo que esse parcial perdido foi frente ao número quatro mundial Andy Murray – e chegava ao jogo de hoje [sexta-feira] confiante numa possível surpresa, mas tal não aconteceu.
Dominando completamente todo o encontro, Rafael Nadal só teve uma breve oposição nos primeiros quatro primeiros jogos do encontro. Disparando winners de direita de todas as formas e feitios, Nadal frustrou também todas as tentativas de ataque de David Ferrer, acabando por virar o ponto a seu favor. Num estado imperturbável, Nadal só esteve em court uma hora e quarenta e seis minutos de encontro vencendo por 6-2 6-2 6-1.
No final da partida, ainda em court, o maior favorito ao título em Roland Garros comentou o encontro: “Nunca esperamos ganhar uma meia-final desta forma. Fiz o meu melhor encontro da semana e tenho pena pelo David, é um dos meus melhores amigos no circuito e também merecia estar aqui na final. Mas estou muito contente por estar em mais uma final”.
Djokovic mais consistente atinge a sua primeira final
A meia-final mais aguardada da jornada de hoje acabou por desiludir já que o sérvio e número um mundial da atualidade Novak Djokovic acabou por reinar em apenas três partidas, dando mais um passo rumo à histórica conquista de quatro Grand Slams consecutivos, juntamente ao feito de conseguir o Grand Slam de carreira, já que Roland Garros é apenas o único dos quatro grandes torneios que ainda não está presente na ‘prateleira’ dos torneios conquistados pelo sérvio.
Depois da meia-final da temporada passada neste mesmo torneio frente a Roger Federer – jogo esse que foi por muitos considerado um dos melhores encontros de ténis de sempre – a expectativa era grande mas o suíço e vencedor de Roland Garros em 2009 teve uma prestação bastante irregular e acabou por ser quebrado por inúmeras vezes ao longo de todo o encontro.
Tendo como um dos pontos fortes o seu serviço, Roger Federer esteve ineficaz nesse aspecto. Apesar de ter colocado uma elevada percentagem de primeiros serviços, ganhou apenas metade dos pontos que disputou com o mesmo. Juntando ainda a esse facto, o suíço e “melhor jogador de todos os tempos” não esteve muito confiante de direita acumulando muitos erros.
Novak Djokovic – que tinha precisado de cinco partidas e ainda salvou alguns match points frente ao potente francês Jo-Wilfried Tsonga – não precisou de praticar um excelente ténis para poder bater o cotado suíço. O sérvio esteve, inclusive, dois breaks abaixo na segunda partida mas acabou por recuperar e vencer em três partidas pelos parciais de 6-4 7-5 6-3.
Este será o primeiro duelo entre Novak Djokovic e Rafael Nadal na final de Roland Garros, já que esta é a primeira presença de Djokovic na final do torneio parisiense. Em duelo directo Rafael Nadal leva a melhor com dezoito vitórias e catorze derrotas.

Leia também:

About Author

Online desde 2010, o Ténis Portugal assume-se como uma publicação independente que ocupa uma posição de referência no panorama nacional tenístico.