Andy, a esperança?

0

É um facto conhecido por todos que os britânicos há muito que sentem falta de um título do Grand Slam. Vamos por ordem: No Australian Open – primeiro Grand Slam da temporada – o último britânico a erguer o troféu foi Fred Perry em… 1934. No ano seguinte o mesmo Fred Perry foi finalista. Desde 1977, quando John Lloyd atingiu a final, que não havia um britânico no último jogo do torneio e este ano Andy Murray chegou à final, perdendo perante Roger Federer. No sector feminino, a última vencedora foi Virginia Wade, corria o ano de 1972. Desde então, nenhuma britânica ergueu ou marcou presença numa final do Open Australiano.
Roland Garros não é de facto o melhor torneio a recordar, visto que o último título ocorreu em 1935, quando Fred Perry ergueu a Taça. Dois anos mais tarde Bunny Austin foi o último a entrar numa final francesa. No sector feminino Sue Barker foi a última a marcar presença numa final, erguendo o título em 1976. Já em Wimbledon, torneio à partida favorável a jogadores da casa, Virginia Wade conquistou em 1977 o último título britânico em terras de sua majestade. Por fim, Fred Perry venceu em 1033 o US Open, e apenas em 2008 Andy Murray foi a uma final.
São de facto péssimos os resultados de jogadores e jogadoras britânicas em torneios do Grand Slam, mas com o aparecimento, já há uns anos, de Andy Murray e mais recentemente de Laura Robson, os títulos são cada vez mais uma ambição.
Com 14 títulos no seu curriculum mas com apenas uma final jogada esta época (Australian Open) o escocês Andy Murray é sempre uma grande ameaça para os seus adversários.
Recordo que Andy Murray já ocupou a segunda posição do ranking mundial sendo desde 2005 o único a tirar Roger Federer ou Rafael Nadal dessa posição.
Curiosamente o escocês tem uma vantagem sobre Roger Federer, tendo 6 vitórias contra 5 do suíço, se bem que os últimos três encontros foram ganhos pelo ex número um mundial.
Os seus melhores resultados aparecem no piso rápido, com as finais do Grand Slam que disputou a serem precisamente no piso do US Open e ainda do Australian Open mas alcançou as meias finais de Wimbledon em 2009 e ainda em 2010.

About Author

[email protected] | Dar palavras a um encontro de dois, três, quatro ou cinco sets, com ou sem tiebreak. Dar palavras a recordes, a histórias. Dar ténis a todos aqueles que o queiram. Mais, sempre mais. Foi com o objectivo de fazer chegar este capítulo do desporto a mais adeptos que fundei o Ténis Portugal em 2010. Cinco anos depois, fui convidado a ser co-responsável pela redação dos conteúdos do website, newsletter e redes sociais do Millennium Estoril Open.

Leave A Reply

Licença Creative Commons
O conteúdo produzido pelo Ténis Portugal não pode ser modificado sem autorização por parte do responsável do projeto; para efeitos de divulgação, reprodução e utilização não comercial, requer-se a referência ao Ténis Portugal. Licença Creative Commons Attribution - Non Commercial - No Derivatives - 4.0 International.